Confrontos deixam 5 mortos em protestos na Venezuela contra Assembleia Constituinte

Confrontos deixam 5 mortos em protestos na Venezuela contra Assembleia Constituinte

Este post foi originalmente publicado neste site

 

Share/Save/Bookmark

Confrontos entre forças de segurança da Venezuela e manifestantes deixaram cinco mortos durante a greve mais recente liderada pela oposição para protestar contra uma eleição no domingo, que, segundo críticos, irá marcar o fim da democracia no país membro da OPEP.

Muitas ruas continuavam com barricadas e desertas nesta quinta-feira, à medida que a greve entrou em seu segundo dia.

Diversas áreas rurais e bairros urbanos da classe operária estavam movimentados, no entanto, e a greve aparentava ter menor apoio do que uma greve de um dia realizada na semana passada. Com a Venezuela já repleta de lojas e fábricas fechadas, em meio a uma intensa recessão de quatro anos, a adesão de qualquer greve pode ser difícil de ser calculada e muitos venezuelanos disseram ter que continuar trabalhando para sobreviver.

As greves mais recentes foram realizadas para intensificar pressão sobre o impopular presidente Nicolás Maduro para acabar com seu plano para votação de domingo para uma Assembleia Constituinte, que terá poder de reescrever a Constituição e fechar o actual legislativo, liderado pela oposição.

Pelo menos 108 pessoas morreram em agitações anti-governo que convulsionam o país sul-americano desde abril, quando a oposição iniciou protestos exigindo eleições livres e justas para acabar com quase duas décadas de governo socialista.

Em Barinas, Estado natal do ex-líder venezuelano Hugo Chávez, somente cerca de um terço dos negócios estavam fechados, de acordo com uma testemunha da Reuters, diferentemente da estimativa formal da oposição, de 92 por cento de participação nacional. “Sou contrário ao governo e concordo que precisamos fazer tudo que podemos para sairmos desta bagunça, mas eu dependo do meu trabalho.

Se eu não trabalhar, minha família não come”, disse o barbeiro de 45 anos Ramón Álvarez em sua loja em Barinas. Adversários dizem que o governista Partido Socialista quer consolidar uma ditadura com a votação de domingo. Houve ampla condenação internacional à votação, e os Estados Unidos anunciaram na quarta-feira sanções contra 13 autoridades e ex-autoridades por corrupção, danos à democracia e participação em repressão.

Autoridades do governo e candidatos para a Assembleia Constituinte terminaram campanhas nesta quinta-feira com um comício em Caracas com Maduro. O líder de esquerda reiterou que a assembleia é a única maneira de levar paz à Venezuela, criticou ameaças de novas sanções do “imperador Donald Trump” e revidou acusações de que está se transformando em um tirano.

“Os suspeitos habituais saíram para dizer que Maduro se tornou louco”, disse a apoiantes em Caracas. “É claro, eu era louco! Louco de paixão, louco de um desejo por paz”.

Em meio a rumores de tentativas de 11 horas para promover negociações, Maduro reiterou um convite para dialogar com a oposição, embora tais conversas tenham fracassado no passado.

 

 

SIMILAR ARTICLES

0 84